Corpo docente

INFORMAMOS QUE OS JUÍZES NÃO PRESTAM QUALQUER ATIVIDADE DE COACHING, SIMILAR OU CONGÊNERE. EVENTUAIS SERVIÇOS DE ASSESSORAMENTO SÃO PRESTADOS POR PROFISSIONAIS DE OUTRAS CARREIRAS JURÍDICAS.

ADRIANO VALENTE foi aprovado ainda na faculdade no concurso de analista judiciário do STJ, onde sempre trabalhou como assessor de ministros, época em que atuou também como colaborador do CESPE na elaboração de provas para concursos e exames da Ordem. Em 2010, tornou-se delegado de polícia no Distrito Federal, exercendo atualmente o cargo de Chefe Adjunto da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado. É co-autor dos livros “O Novo direito Administrativo Brasileiro – O Estado, as agências e o terceiro setor” e “O Novo direito Administrativo Brasileiro – O público e o privado em debate” e possui especializações em Gestão de Segurança Pública e Gestão de Polícia, entre outras pós-graduações.

ALAN MARQUES tornou-se Procurador do Estado de Goiás aos 26 anos. Antes de se tornar Procurador, foi aprovado para a prova oral do concurso da magistratura do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, mas não pôde realizá-la em virtude de não possuir, à época, 3 anos de prática jurídica. Ainda na faculdade, foi aprovado no concurso de Advogado da Caixa Econômica Federal em 8º lugar e no de Assistente Técnico Administrativo do Ministério da Fazenda.

ANDRÉ ALISSON LEAL TEIXEIRA, aprovado para Promotor de Justiça do MPDFT (previsão de nomeação em agosto/2016) e para Defensor Público do Ceará. Atualmente, é Analista Judiciário no STF (aprovado quando ainda estava no 8º semestre do curso de Direito), lotado no gabinete do Ministro Teori Zavascki. Também obteve aprovação para Oficial de Justiça nos TRF's da 1ª e da 5ª Regiões, para Técnico Judiciário do TST e para Agente Administrativo da Polícia Federal (cargo para o qual foi nomeado aos 18 anos de idade).

DANIEL PINHEIRO DE CARVALHO foi aprovado em 1º lugar para Promotor de Justiça do MPDFT, cargo que exerce atualmente. Anteriormente, foi assessor de Ministro do STF e tornou-se Advogado da União aos 23 anos, no mesmo ano de sua colação de grau (2009). Ainda durante a graduação em Direito na Universidade de Brasília – UnB, obteve o 1º lugar no concurso para o cargo de Analista Judiciário do Superior Tribunal de Justiça (2008), e foi aprovado, entre outros, nos concursos para os cargos de Analista Processual do Ministério Público da União (2007) e Analista Judiciário do TJDFT (2008). Co-autor dos livros de questões comentadas #VouSerJuiz, da ed. CP Iuris, e do Exame da OAB – 1ª Fase, da editora Vestcon, de 2010, e autor de diversos artigos.

JAYLTON LOPES JUNIOR é Juiz de Direito Substituto da Justiça do Distrito Federal, tendo logrado êxito no concurso em 4º lugar no ano de 2014. Foi aprovado nos concursos para os cargos de Oficial de Justiça e Avaliador Federal do TJDFT, Promotor de Justiça do MPTO e Promotor de Justiça do MPRO. Foi aprovado e classificado para a prova oral do concuso de Juiz de Direito do Estado do Rio Grande do Norte, tendo desistido de prestar a referida prova em razão da sua posse no cargo de Juiz de Direito Substituto do TJDFT. Foi advogado militante no Estado da Bahia e professor universitário na Faculdade Unyahna de Barreiras - BA (IESUB), tendo ministrado as disciplinas de Direito Processual Civil e Jurisdição Constitucional. Ex-aluno CP Iuris.

JOÃO MARCOS RAMOS ANDERE  é Promotor de Justiça Substituto do MPGO. Aprovado no último concurso do MPGO em 7o lugar. Aprovado também no concurso de Promotor de Justiça do Ministério Público do Estado de Mato Grosso. Pós-graduado em Direito Público.

LORENA ALVES OCAMPOS tornou-se Juíza de Direito Substituta da Justiça do Distrito Federal aos 26 anos, tendo logrado êxito no concurso em 6º lugar, alcançando a maior nota na prova de sentença penal (8,47). Foi aprovada, entre outros, nos concursos para os cargos de Técnica Judiciária do Ministério Público da União e Analista Judiciária do Superior Tribunal de Justiça. Antes de ser juíza, foi Técnica Judiciária e Analista Judiciária do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (2010-2014), exercendo a função de Oficial de Gabinete por 4 anos. Pós-graduada em Direito e Contemporaneidade pela União Pioneira de Integração Social - UPIS (DF) em convênio com a Escola da Magistratura (2012).

LUCAS SALES DA COSTA tornou-se Juiz de Direito Substituto da Justiça do Distrito Federal aos 26 anos. Aprovado nos concursos de Juiz Federal do TRF 4ª Região e Analista do TRT 7ª Região. Ex-Advogado da União, lotado na procuradoria regional da União (1ª região). Ex-técnico Judiciário do TRF da 5ª Região, com atuação em gabinete de juiz federal. Pós-graduado em Direito Processual Civil Individual e Coletivo pela Faculdade Christus (CE). Pós-graduado em Direito Constitucional pelo Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP/DF). Coautor da obra "Questões objetivas comentadas para a magistratura estadual", da editora CPIURIS. Autor do livro "Constitucionalismo, direitos sociais e atuação do Poder Judiciário", pela editora Gazeta Jurídica.

MARIANA FRIZZERA É Advogada do Senado. Aos 26 anos, foi aprovada no XIII Concurso para Juiz Federal da 1ª Região, encontrando-se sub judice por não ter os três anos de prática jurídica. Antes de ser Advogada do Senado, foi Advogada da União (2009) e Analista Judiciária do STF (2008). Também foi aprovada, entre outros, nos concursos de Analista Judiciário do TST (2007), do TRT da 1ª Região e do STJ (2008). É mestre em Direito, Estado e Constituição pela Universidade de Brasília (UnB). Atualmente, ocupa o cargo de Secretária da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado.

RAFAEL GONÇALVES SANTANA BORGES tornou-se Procurador do Estado de Goiás aos 24 anos. Foi aprovado, também com 24 anos, em 3º lugar no concurso nacional para Procurador do Banco Central, obtendo a segunda maior nota da prova oral (97,01). Logrou aprovação no concurso de Defensor Público do Estado do Tocantins (24º lugar) poucos meses após sua colação de grau (2013). Aprovado igualmente para o cargo de Procurador do Município de São Paulo e chegou à última fase (teste de aptidão física) do concurso para Delegado da Polícia Civil do Paraná, não a realizando em virtude de coincidência de datas com outros certames.

RAFAEL ROCHA atualmente é promotor de justiça do Ministério Público do Estado da Bahia (MPBA). Também é ex-procurador federal chefe da Procuradoria Federal Especializada do Ibama em Barreiras (BA); ex-professor de cursos preparatórios para concursos; ex-professor da Faculdade de Direito Dom Pedro II, no campus de Barreiras (BA). É pós-graduado em Direito Público, Direito Constitucional, Direito do Trabalho e Direito Processual do Trabalho na Universidade Anhanguera (Uniderp/Rede de Ensino LFG). Foi aprovado no concurso para técnico judiciário do Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA) em 2006; e no concurso para técnico judiciário do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) em 2007. Além disso, também foi aprovado nos concursos para agente da Polícia Civil de Pernambuco (PCPE) em 2008; para agente federal de execução penal (2009); e para delegado da Polícia Civil do Estado da Bahia (PCBA) em 2013.

RODRIGO DE OLIVEIRA MACHADO é Promotor de Justiça Adjunto do MPDFT. Aprovado no último concurso do MPDFT em 09º lugar. Aprovado também nos concursos de Promotor de Justiça do Ministério Público de Roraima (6º lugar) e Analista Judiciário do TJDFT (2º lugar). Foi advogado orientador do Núcleo de Assistência Jurídica do Centro Universitário de Brasília -Uniceub. Pós-graduação em "A ordem jurídica e o Ministério Público" e "Direito Indisponíveis". Autor de "Aplicação da Lei Maria da Penha a homens vítimas de violência doméstica" (Ed. Sal da Terra) e "A natureza da Ordem dos Advogados do Brasil" (Ed. Sal da Terra).

SAMER AGI tornou-se Juiz de Direito Substituto da Justiça do Distrito Federal aos 25 anos, tendo logrado êxito no concurso em 3º lugar (deixou de ocupar o 1º lugar apenas na fase de títulos), tendo sido o primeiro lugar da prova oral e tendo alcançado nota 9,88 na prova de sentença penal. Antes de ser juiz, foi Delegado da Polícia Civil do Estado de Goiás.